Viaje comigo!

Quer saber das novidades?! Se cadastre e receba as dicas direto no seu e-mail! É uma alegria poder compartilhar minhas amabilices com você!

ESTÂNCIA MIMOSA: UMA IMERSÃO NA NATUREZA

“Bonito é o dia de folga de Deus”. É nisso que acredita o manauense que há dois anos e meio veio para o playground divino e, na Estância Mimosa, ficou. Alone – que de sozinho só tem a tradução do nome – é quem recepciona os visitantes, sorridente. Chegar à Estância Mimosa é como chegar à casa da vó: um aconchego só.
No receptivo, o charme da casa de madeira é um convite às ternas memórias de infância. Mesmo que você não tenha lembranças de fazenda, a mente inventa cenas que deixam o cenário ainda mais doce. Ou cheio de aventura, com o lago repleto de jacarés, onde os visitantes podem chegar pertinho dos animais – antes ou depois dos passeios.
Alone chama e os jacarés vêm! É impressionante!
Alone chama e os jacarés vêm! É impressionante!
A Estância Mimosa oferece várias atividades: trilhas e cachoeiras, observação de aves, passeio a cavalo e roteiro de estudo do meio. Dá pra passar o dia inteiro por aqui.
A abundância de cachoeiras é generosidade da natureza. Caminhar entre a mata, ouvindo ao longe a água que bate na pedra, faz com que os quase 3 quilômetros (entre ida e volta) passem despercebidos. Acrescente o bônus de um passeio de barco por 500 metros de rio em que o verde da água e da mata se fundem, num estonteante degradê.
_dsf4778
Foto: Diego Oliveira | Studio 45 Graus
Os visitantes são guiados por gente que ama o que faz e se especializou nisso. Maycon Portilho foi o guia do grupo. Antes de chegar às quedas, ele transformou árvore em conhecimento, pedra em curiosidade e parte abandonada de caminhão em consciência ambiental.
Durante a trilha, Maycon contou a história que antecedeu o ecoturismo na fazenda. Antes de pertencer ao atual dono, a propriedade era usada para extração de madeira e criação de gado. Aí, numa reviravolta do destino, passou a ser uma Reserva Particular do Patrimônio Natural.
Maycon Portilho, guia do nosso grupo. Foto: Diego Oliveira | Studio 45 Graus
Maycon Portilho, guia do nosso grupo. Foto: Diego Oliveira | Studio 45 Graus
Como área de preservação do Ministério do Meio Ambiente, com Plano de Manejo, há 17 anos foi aberta para visitação. Por dia, 156 pessoas podem circular pela mata e nadar nas cachoeiras, num caminho que segue as exigências do Sistema de Gestão de Segurança. Além de conhecedores de tudo que os cerca ao longo da trilha, os guias têm também treinamento aquático e de primeiros socorros. É que, ao todo, o percurso inclui ONZE quedas d’água, sete indicadas para banho.
Cachoeira do Sinhozinho. Foto: Diego Oliveira | Studio 45 Graus
Cachoeira do Sinhozinho. Foto: Diego Oliveira | Studio 45 Graus
A excelente notícia é: se você nunca nadou num rio ou entrou numa cachoeira, essa é a oportunidade ideal para o seu “batismo”. Foi meu caso. Minhas experiências eram um tanto quanto limitadas. Já havia ido em cachoeiras, mas nunca havia nadado para chegar em uma! E só me dei conta disso quando estava no meio do lago, na primeira queda d’água. Desci pelas escadas (um suporte físico e psicológico, uma vez que nem me dei conta de que estava entrando, de fato, num lugar bem fundo!) e, no meio do caminho, senti um friozinho na barriga. A botinha de neoprene, disponível para locação, dificulta um pouquinho o nado, mas protege os pés na hora de subir nas pedras. Maycon foi extremamente atencioso e garantiu que eu fizesse o melhor percurso pela estrutura da cachoeira.
Dali para frente, não havia mais medo ou receio. Só ansiedade para conhecer as próximas cachoeiras. Aí entra uma peculiaridade da natureza. Embora sejam muitas, as quedas d’água são extremamente distintas – em cenário, profundidade e experiência.
_dsf4815
Foto: Diego Oliveira | Studio 45 Graus
Cada queda tem um nome – e uma placa que explica o porquê. A mais divertida, talvez, seja a Cachoeira do Desejo. Diz a lenda que se você faz um pedido, entra na gruta e olha para cima, esse desejo se realiza. Se eu tivesse desejado me divertir horrores, não teria dado tantas gargalhadas quanto dei. E é óbvio que não vou revelar o segredo. No entanto, se eu fosse você, não perderia essa oportunidade!
Quando feito de manhã, o passeio pode ser finalizado com um delicioso almoço com comida típica sul-mato-grossense. O menu inclui uma vasta variedade, com salada fresquinha, colhida da horta que é cultivada na própria fazenda, e pratos deliciosos. De sobremesa, recomendo o doce de leite!

img_5185

Existe a possibilidade de ir apenas para o almoço. A escolha é do visitante! Mas, como em todos os passeios de Bonito, é preciso fazer a reserva numa agência de turismo.
Horta da Estância Mimosa!
Horta da Estância Mimosa!
Ah, além de proporcionar essa imersão na natureza, o passeio pela Estância Mimosa rende também excelentes amizades. Nosso grupo ficou tão unido, que fizemos questão de registrar! Obrigada gaúchos, cariocas e paranaenses, por terem tornado esse momento ainda mais especial! Sozinhos não somos nada.

img_5195

Fique ligado:
– A Estância Mimosa fica a 24 km do centro de Bonito. Saia uma hora antes;
– A fazenda não oferece transfer, mas as agências têm esse serviço disponível;
– Reserve com antecedência;
– A atividade da trilha e cachoeiras inclui 2,8 km de trilha (entre ida e volta), num trajeto com mata, escadarias, deques de observação e passarelas suspensas;
– A duração do passeio varia de 3 a 4 horas;
– Os grupos têm, no máximo, 12 pessoas;
– O valor da entrada inclui guia, colete salva-vidas e seguro contra acidentes;
– A idade mínima é de 3 anos de idade;
– Pessoas com deficiência física podem fazer o passeio, no entanto, é necessário consultar a equipe para avaliação de cada caso. Faça a solicitação com antecedência;
Look: Gethamo Foto: Diego Oliveira | Studio 45 Graus
Look: Gethamo Foto: Diego Oliveira | Studio 45 Graus
– O trajeto é feito por dentro da mata ciliar. A exposição ao sol é moderada. Não reapliquei o protetor solar (não achei necessário, já que a gente sai de uma cachoeira e logo entra na outra), mas é indicado levar protetor solar, repelente, garrafinha de água e uma câmera;
– Toalha de banho é opcional (Eu não usei!);
– Experimente o doce de leite. De todas as dicas, se prenda nessa: delicie-se com o sabor do doce, fresquinho, feito na própria fazenda!
Para mais informações, visite o site oficial.

 

Autor(a) do post
Amabyle Sandri

Comentários

1 Comentário
  1. postado por
    Cesar Sandri
    set 11, 2016 Reply

    ” Um brinde a natureza e suas belezas ” – Acredite , nós viajamos juntos ao ler cada uma de suas palavras , sutis e reais , que nos transporta para o local visitado por vocês . Estamos felizes com sua alegria e realização em poder retratar nas palavras poéticas e com as belas fotos do Diego , que agradecemos a parceria e dedicação profissional por ter ido contigo , neste belíssimo trabalho , onde com certeza muitos leitores terão o desejo de conhecer esta linda região do Brasil ! Muito ” Bonito ” , lindíssimo , apaixonante este lugar ,um presente de Deus ! Parabéns a vocês , aos guias e demais envolvidos na preservação deste lugar abençoado por nos mostrar com detalhes , esta magnifica viagem , ” um mergulho ” junto a Natureza !

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga no Instagram

Siga o Amabilices no Instagram e acompanhe em tempo real todas as nossas viagens e aventuras por esse mundo lindo.

Junte-se ao Instagram