Viaje comigo!

Quer saber das novidades?! Se cadastre e receba as dicas direto no seu e-mail! É uma alegria poder compartilhar minhas amabilices com você!

SALTA, LA LINDA!

Contornada por montanhas, Salta vista, assim, de cima, parece uma tablado de Lego em que as peças foram encaixadas harmoniosamente para equilibrar o mundo urbano e a natureza. Com um perfil predominantemente horizontal, as construções verticais se destacam – e são poucas. Esse é um dos traços que revelam do que é feita a cidade: história, cultura e tradição.

La linda, tradução de “sagta”, na língua indígena aimará, era uma cidade de passagem para quem vinha do sul em direção às minas de Potósi, na Bolívia. Com a independência da Espanha, o movimento intenso por aqui mudou. O que permanece igual é o apreço pelas características originais da cidade.

Caminhando pela Plaza 9 de Julio isso fica evidente. Da Catedral Basílica de Salta, datada do século 19, aos museus que delimitam a praça, a arquitetura colonial se destaca. Quase um ao lado do outro, aliás, estão a Catedral – fundamental para a compreensão da história da cidade -, o Museu de Arte Contemporânea, o Museu de Arqueologia de Alta Montanha – que abriga os niños de Llullaillaco, três crianças oferecidas num ritual inca e encontradas intactas em 1999 numa montanha de 6.739 metros por uma equipe da National Geographic -, e o Cabildo Histórico de Salta, edifício restaurado do governo, com construção original de 1700. A uma quadra – para uma direção – está o Museu Güemes e – no outro sentido – a imponente Igreja de São Francisco.

Cabildo histórico de Salta
Cabildo histórico de Salta

A jovialidade fica por conta dos bares e restaurantes ao longo da Calle Balcarce, onde jovens dão vida à rua com drinks e música típica misturada aos últimos hits. Um delicioso uni-du-ni-tê de sabores e ritmos.  

Se o centro de Salta é  definido pela história, saindo dali, a bordo do Tren a las Nubes é a natureza quem assume o protagonismo do destino. Natureza aliada ao conhecimento do homem, em um dos trajetos mais altos da terra – em que os trilhos nos conduzem 4.200 metros acima do nível do mar, num dos passeios mais surreais que já fiz.

Em frente à estação ferroviária de onde parte o trem, aos domingos acontece uma feirinha de artesanato que se estende por toda a Calle Balcarce. Uma ótima pedida para conhecer preciosidades das peças feitas à mão, como os ponchos de lã de lhama e as roupinhas de Barbie que deixam qualquer criança enlouquecida.  

77F55BCF-0870-474C-8F29-24CBAFD0FBF8

Paralelamente ao entrelaçar de paisagens estonteantes com a história, a religiosidade se faz presente, inclusive, no calendário de eventos da cidade. É que em 13 de setembro de 1600, Salta enfrentou um terremoto. Bastaram dois dias seguidos de tremores para que tudo estivesse destruído. Aí, o arcebispo lembrou que a Catedral havia ganhado duas imagens de presente de Tucuman e ordenou que procurassem as estátuas dos santos. Quando foram encontradas, em meio aos escombros, as imagens do Señor Jesus e da Virgen del Milagre estavam intactas. Em 15 de setembro os fiéis decidiram fazer uma procissão para os santos e os tremores cessaram. Os salteños atribuem à interseção o fim dos tremores e, em agradecimento, fazem uma festa anual que reúne mais de 600 mil pessoas – parte delas vem em procissão desde San Antonio de Los Cobres, uma caminhada de 160 quilômetros de fé.

Outro local que reúne fiéis é o Santuário da Virgen del Cerro. Em 1990, uma camponesa chamada María Livia estava na colina, próxima a Salta, quando viu Maria – a mãe de Jesus. Os encontros seguiram acontecendo e ela comentou com a família. Aí, os boatos se espalharam. Aos poucos, devotos de Maria começaram a surgir para encontrar a camponesa. Hoje, o local virou um Santuário onde Maria Lívia faz orações pelos fiéis aos sábados. Além de ser um local de fé e devoção, a colina tem uma vista lindíssima da cidade.

Terços deixados nas árvores do Santuário.
Terços deixados nas árvores do Santuário.

E, se o assunto é o melhor ponto para ver Salta das alturas, o Teleférico San Bernardo está, sem dúvidas, no ranking. Com saída da praça San Martín – uma das principais da cidade – a subida já permite apreciar a integração urbano-rural. Lá de cima, vários mirantes proporcionam vistas surpreendentes. De quebra, é possível comprar souvenirs e tomar um café – ou um vinho!

Curiosidade: Paróquia Nossa Senhora Aparecida

Pertinho de Salta, em Vacarias, uma pequena igreja traz a fé brasileira para as terras argentinas. É que o padre da comunidade, durante a peregrinação do Caminho da Fé, que leva a Aparecida do Norte, em São Paulo, no Brasil, teve uma visão em que a Virgem Maria pedia para que ele construísse uma igreja na comunidade. Ele voltou, contou sobre a aparição e, depois de seis anos, terminou a construção da paróquia. No altar, Nossa Senhora Aparecida – denominação de Maria no Brasil – reina, ladeada pela bandeira argentina.

6FFD3123-2116-4DC4-8761-773FB09C684B

Como chegar

De avião: Salta tem um aeroporto próprio que fica a aproximadamente 15 km do centro da cidade. As companhias aéreas que fazem o trecho Brasil – Argentina são: Gol, Latam, Aerolíneas Argentinas e Andes Lineas Aereas. Existe também a possibilidade de desembarcar no aeroporto de Jujuy e começar o tour por Purmamarca. 120 km separam os dois destinos.

De ônibus: Se você for bem ousado existe a possibilidade de ir de ônibus saindo de Buenos Aires, por exemplo, numa longa viagem de 18 horas. O terminal rodoviário fica a 7 km do centro e é super tranquilo acessar os lugares de Uber.

De carro: Uma boa pedida para quem está disposto a encarar uma roadtrip é atravessar a Argentina de carro para chegar em Salta e, como sugestão, emendar o Salar de Uyuni, na Bolívia, numa esticada de 900 km. Para dirigir pelo país vizinho, basta a carteira nacional de habilitação. No entanto, é exigida a Carta Verde, um seguro cujo valor varia de acordo com o modelo do carro e tempo de permanência no país. Lembrando que a legislação argentina exige que o carro possua dois triângulos, suporte de aço para reboque, kit de primeiros socorros e extintor de incêndio.   

Quanto tempo ficar

No mínimo três dias, para aproveitar com calma, levando em consideração que o Tren a las Nubes é uma passeio que leva o dia inteiro.

Quando ir

Salta fica a 1.152 metros de altitude. Ou seja: o inverno é seco e frio (com vento) e temperatura média de 16 graus. Já o verão é o contrário: úmido e quente – com muita chuva, principalmente em janeiro. Para fugir das tempestades tropicais, vá de junho a agosto. Se busca calor – meteorológico e humano – aposte nos meses de dezembro a março, quando acontecem as festas populares da cidade. Destaque para o famosíssimo carnaval. Caso opte por janeiro, vá ciente de que o mês já chegou a registrar 25 dias de chuva.

Onde ficar

O Delvino Hotel Boutique é um convite a um mergulho no universo dos vinhos. A paixão pela enologia está por todos os cantos. Já na entrada, o viajante é recepcionado por uma adega com opções de rótulos tradicionais e também de pequenas vinícolas familiares. Os quartos são identificados, não por números, mas por castas de uvas. Um sommelier está à disposição para degustações diárias, com aulas sobre a preciosidade da região: a Torrontés. É ela, inclusive, que dá nome à suíte presidencial, que ocupa quase um andar inteiro do casarão transformado em hospedaria.

Um misto do charme da arquitetura original com as benesses da tecnologia, o Hotel Boutique – primeiro hotel temático de Salta – é uma ótima pedida para começar ou encerrar uma rota do vinho pela região de Cafayate e Cachi. Incrivelmente bem localizado, está a duas quadras da Calle Balcarce. Bônus: conta com tarifas justíssimas por tudo que oferece. Bônus 2: o café da manhã é divino – tem até espumante.

Onde comer

Heladeria Fili

A sorveteria mais tradicional de Salta traz o toque da massa artesanal com o incomparável sabor do dulce de leche argentino. São vários sabores, aliás, servidos no prédio – histórico – desde 1951. Uma parada obrigatória no seu roteiro!

Peña Boliche Balderrama

O programa cultural mais legal que fiz em Salta! O restaurante reúne a típica culinária argentina e um extenso e divertido show folclórico, com apresentações de vários estilos de músicas e danças. É encantador! A casa – que tem quase 70 anos de existência – funciona no horário do almoço e também no jantar. Em ambos os casos é preciso fazer reserva com antecedência. Os dados estão no site oficial.

D85F4B52-68CB-4CFB-9A48-FB93456EC845

 

Devo incluir Salta no meu roteiro?

Sem dúvidas. É uma das cidades mais diferentes que conheci na Argentina. É uma aula de história a céu aberto e uma oportunidade e tanto para conhecer a diversidade do nosso país vizinho.

IMG_6161-2

Dica: monte um roteiro de 6 noites e inclua uma noite em Purmamarca e duas noites em La Caldera (lendo os posts sobre os destinos, você vai entender o porquê!).  

Tem alguma dúvida ou dica sobre Salta?! Deixe nos comentários!!!

Autor(a) do post
Amabyle Sandri

Comentários

2 Comentários
  1. postado por
    Geovaci
    maio 30, 2019 Reply

    Bom dia.
    Devo chegar a Jujuy no dia 13/10 por volta das 19h. O que vc indicaria? Já ir direto à purmamarca ou pernoitar em jujuy? Tenho apenas até o dia 19/10. Vou voo de regresso sai por volta das 20h.
    Seria indicado, pelo fator tempo, ficar apenas nos arredores de purmamarca ou com essa faixa de tempo daria para ir também à Salta?
    Seria mais indicado alugar um carro ou fazer os passeios por agências?

    • postado por
      Amabyle Sandri
      jun 4, 2019 Reply

      Olá, tudo bem!? Você pode alugar um carro e ir até Purmamarca para otimizar tempo. O nascer do sol lá é lindo! Fiz todo o percurso com a Viajes y Turismo La Caldera. As meninas são ótimas e ajudaram a planejar tudo de forma a aproveitar todos os espacinhos do roteiro! Em cinco dias você consegue conhecer Purmamarca (que é pequenininha) e Salta, sim. Dá pra aproveitar e dar um pulo em La Caldera (que é caminho). Você pode voltar de Salta para Jujuy no dia do voo. Só calcula o tempo para devolver o carro e fazer o check-in, mas a distância é super viável!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga no Instagram

Siga o Amabilices no Instagram e acompanhe em tempo real todas as nossas viagens e aventuras por esse mundo lindo.

Junte-se ao Instagram